quinta-feira, 28 de julho de 2016

Injecções diárias dos diabéticos à beira do fim?

28 jul, 2016 - 12:35 • Anabela Góis
Experiências da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra estão, para já, a ser realizadas apenas em ratos, mas com resultados muito positivos.
 
Pode ser o fim das injecções diárias para os diabéticos. Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra conseguiu encapsular células produtoras de insulina, que funcionam como um pâncreas bioartificial passível de ser implantado nos doentes.
 
“No fundo, é desenvolver uma forma de ter células que produzem insulina para substituir aquela que eles produzem de forma deficitária”, sintetiza Raquel Seiça, líder da equipa de investigação.
 
Nestas declarações à Renascença, Raquel Seiça garante que isto significaria o fim das várias injecções de insulina por dia, nos diabéticos de tipo 1.
 
As vantagens não se ficam, no entanto, por aqui.
 
“O facto de serem células encapsuladas (dentro de uma cápsula de polímeros especiais) vai permitir uma outra coisa, que é o seguinte: no caso de um transplante de pâncreas os doentes têm de fazer, até ao fim da sua vida, imunossupressores. Sendo essas células encapsuladas evita, a necessidade da administração imunossupressores e isso é o ideal porque os imunossupressores também trazem problemas aos doentes”, explica.
 
A microcápsula pode vir a ser instalada debaixo da pele ou no músculo, o local ainda não está definido.
 
A investigação tem tido resultados muito positivos mas para já apenas em ratos.

terça-feira, 26 de julho de 2016

Tinta das tatuagens poderá aumentar risco de cancro


Este organismo pode ajudar a revelar a origem da vida


LUCA é o antepassado de tudo o que tem vida na Terra e a sua descoberta pode ajudar a responder aos maiores mistérios da biologia.

É o organismo unicelular que deu origem a tudo o que está vivo na Terra: o LUCA, que significa Last Universal Common Ancestor (Último Ancestral Comum Universal, em português) surgiu há cerca de quatro mil milhões de anos, quando o planeta tinha apenas 560 milhões de anos. Agora os cientistas pintam um retrato que pode ajudar a desvendar o mais famoso e controverso mistério entre cientistas: a origem da vida.
 
Os cientistas acreditam que o LUCA é um antepassado comum das bactérias e archaeas. O estudoda Universidade Heinrich Heine de Düsseldorf, na Alemanha, chegou a 355 genes que "estavam provavelmente presentes no genoma de LUCA".
 
O biólogo acredita que o LUCA está muito próximo da origem da vida, pois, segundo o New York Times, este organismo não tem muitos dos genes necessários para viver. O especialista explicou que estes organismos estavam apenas "meio-vivos".
 
O LUCA, de acordo com o estudo publicado esta segunda-feira, surgiu num ambiente muito específico: nas fissuras do mar profundo, em zonas onde é expelido o ar gasoso, quente e cheio de metais, na mistura do magma com a água do mar.
 
Esta descoberta vem acrescentar mais um ponto ao longo debate entre os cientistas que acreditam que a vida surgiu em ambientes extremos e os que defendem que a vida começou em águas paradas, como lagoas quentes.
 
Alguns cientistas não concordam com a teoria de Wlliam Martin e afirmam que, apesar de o LUCA ser um organismo sofisticado e realmente o mais antigo encontrado até ao momento, ele surgiu muito tempo depois do início da vida.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Calvície na mulher: perder uma parte do “eu”

Clínica Saúde Viável // Bem-estar

Sobretudo associada ao sexo masculino, a calvície também afeta as mulheres e pode ter um efeito psicológico muito mais devastador nestas. De acordo com a American Hair Loss Association, nos Estados Unidos as mulheres representam já cerca de 40% dos casos de perda de cabelo significativa.
 
 
 
 
Baixa auto-estima, depressão, afastamento das relações sociais, isolamento. O impacto da calvície no feminino vai muito para além da mudança fisionómica.

Fátima Garcês, médica especialista na Técnica FUE de transplante capilar e pioneira na introdução deste método em Portugal, recebe com frequência pedidos de ajuda de mulheres que apresentam sinais de alopecia ou mesmo graus avançados de calvície; e não tem dúvidas em afirmar que as mulheres ficam, emocionalmente, muito mais devastadas do que os homens, nestes casos. «A calvície masculina é bem aceite socialmente, o que não acontece com a calvície feminina. Por isso, para as mulheres é muito mais difícil lidar com o problema», explica.
O cabelo é um dos elementos-chave da feminilidade, pelo que a sua perda deixa marcas profundas. Não é apenas o aceitar de uma nova autoimagem que está em causa, é o desafio de assegurar a identidade feminina, apesar da inevitável fragilização perante o desaparecimento de uma das suas “armas” mais poderosas.
A nível psicológico, as consequências são por isso profundas, exigindo muitas vezes intervenção psiquiátrica. "Perceber que estamos a perder uma parte do nosso corpo e ver a nossa aparência totalmente transformada é verdadeiramente arrasador. Tenho constatado situações de mulheres com problemas muito graves do foro psiquiátrico, em consequência da calvície.
Há mulheres polimedicadas, com um quadro de ansiedade, alterações do humor e depressão. Algumas destas pessoas chegam a furtar-se a encontros sociais, fecham-se em casa para evitar comentários ou perguntas que não conseguem suporta"», conta a especialista.
Causas da calvície feminina
As causas da calvície nas mulheres podem ser várias. A alopecia androgenética feminina é a mais comum e tem, como o nome indica, base genética e muitas vezes hereditária.
 
Mas há outros fatores na origem do problema no sexo feminino: stress, alterações hormonais, problemas de tiroide, infeção do couro cabeludo e outros processos inflamatórios, doenças crónicas como o lúpus ou a diabetes, determinada medicação ou tratamentos oncológicos, traumatismos, má nutrição e deficiência de ferro.
O tratamento difere conforme a causa da calvície. Em alguns casos, a solução pode passar por um tratamento capilar específico, em outros por tratamento medicamentoso e noutros ainda por uma minicirurgia. O microtransplante capilar é adequado para vários casos de calvície irreversível, nomeadamente para a sua forma mais frequente, a alopecia androgenética.
De acordo com a International Hair Restoration Society (IHRS), desde 2004 o número de pacientes do sexo feminino submetidas a cirurgia de restauração capilar em todo o Mundo aumentou 24%. A nível mundial, as mulheres representam já 14,2% do total de pacientes que optaram por este tipo de tratamento.
Nem todos os casos de calvície têm solução mas, em qualquer situação, o importante é atuar precocemente, diz Fátima Garcês. A médica deixa, por isso, um conselho a todas as pessoas que sofrem de problemas capilares: "Procurem ajuda assim que aparecem os primeiros sinais. Logo que comecem a notar que o cabelo está enfraquecido, consultem um especialista em saúde capilar, para que possa ser feito o diagnóstico correto do problema".
A calvície feminina está classificada cientificamente com distintos graus de severidade. Quanto mais cedo for diagnosticada, maiores serão as probabilidades de sucesso terapêutico. «Se o caso tiver indicação para transplante, quanto mais cedo melhor, pois será necessário um menor número de folículos capilares, é menos cansativo para o paciente e os resultados são muito melhores.
Se não houver indicação para transplante, há situações em que se aconselha um tratamento preventivo e, no caso de uma queda reversível, é possível tratar e recuperar», explica a médica.
Em suma, é desaconselhado deixar arrastar uma queda de cabelo exagerada, o que normalmente corresponde a mais de 100 fios por dia.
A calvície feminina pode surgir em qualquer idade, embora seja mais frequente a partir dos 40 anos, com o aproximar da menopausa.
Mais informação em http://www.saudeviavel.pt

domingo, 24 de julho de 2016

Conheça dez sinais de alerta para a baixa imunidade


 

Memória em dia: alimentos que estimulam o cérebro


 

Reveladas as principais causas do AVC


Medicação que baixa colesterol pode reduzir risco de morte por cancro


 

Os perigos de cozinhar e embalar alimentos em papel de alumínio

msn lifestyle
Notícias ao Minuto
Daniela Costa Teixeira

O uso de papel de alumínio é uma forma prática de embalar alguns alimentos – como aqueles que diariamente se leva para o trabalho -, mas é também uma excelente forma de evitar que os alimentos queimem quando vão ao forno. Mas, e se a nossa saúde estiver em perigo?
 
Ghada Bassioni, professora e diretora do departamento de Química da Universidade Ain Shams, revela o alumínio pode ser nocivo para a saúde e que estas folhas são dos objetos que mais fazem aumentar o risco, uma vez que os tachos e panelas em alumínio acabam por ser oxidados ou revestidos antes serem comercializados, o que impede que este metal entre em contacto direto com a comida e, por conseguinte, com o nosso organismo.
 
De acordo com a especialista, que publicou um artigo no site The Conversation, o perigo do uso de papel de alumínio aumenta quando este é usado para confecionar a temperaturas elevadas pratos ácidos ou picantes, o que faz com que os níveis deste metal aumentem e, com isso, cresça também a probabilidade de contaminação.
 
Quando entra em contacto com o nosso corpo, o alumínio assume-se como um metal tóxico, uma vez que não integra o processo metabólico do corpo humano, o que impede que seja excretado ou eliminado.
 
Numa pesquisa realizada recentemente, Ghada Bassioni descobriu que a passagem de alumínio para a comida no processo de confeção está acima do limite permitido pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é 40 miligramas por cada quilo peso corporal.
 
Como se pode ler na revista online Esmeralda Azul, a presença de alumínio no cérebro está associada a dificuldades cognitivas e às doenças neurológicas degenerativas, o que faz com que as pessoas fiquem com uma menor capacidade de memória, de concentração e de atenção.
 
O uso recorrente de alumínio – sob a forma de papel ou em panelas não oxidadas ou revestidas – tem sido frequentemente associado a um aumento do risco de Alzheimer.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Descoberto planeta num sistema com três estrelas

Lusa
Ilustração do sistema que está a 320 anos-luz da Terra

As 10 alergias mais estranhas do mundo

Nuno Noronha // Saúde e Medicina
O corpo humano é uma máquina incrível, mas como todas as máquinas pode ter defeitos de fabrico. Conheça as dez alergias mais estranhas do mundo.
Alergia às redes-wifi - Chama-se hipersensibilidade eletromagnética, também conhecida por alergia invisível. Embora ainda não seja reconhecida como uma doença, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, este problema afeta três por cento da população. Olle Johansson, investigador em Neurociência do Karolinska Institute, na Suécia, estuda o fenómeno há vários anos. O sintoma mais comum desta doença são as dores de cabeça. A Suécia foi o primeiro país a reconhecer a patologia.
Alergia ao filho recém-nascido - De acordo com a Associação Norte-Americana de Obstetras e Ginecologistas, a penfigóide gestacional é uma doença auto imune e um problema de pele caracterizado por bolhas no abdómen e, em alguns casos, em outras regiões do corpo da mãe. As mães podem desenvolver esta condição durante o segundo ou terceiro trimestre de gravidez e depois do parto. Em casos mais raros, a criança pode também nascer com a alergia. A doença também é denominada por herpes gestacional devido à característica das bolhas, embora não tenha nenhuma relação com o vírus do herpes.
Alergia ao sémen - Chama-se hipersensibilidade ao plasma seminal. Esta alergia auto imune resulta de uma má interpretação por parte do sistema imunitário. Quando o sémen entra no organismo de uma pessoa alérgica, os leucócitos, células de defesa do organismo, identificam erroneamente as proteínas do sémen como invasoras (como, por exemplo, bactérias e vírus), atacando-as. Há menos de 100 casos descritos na literatura médica.
Alergia ao exercício físico - Chama-se anafilaxia induzida pelo exercício (AIE). Trata-se de uma forma rara de alergia física que ocorre na sequência de esforços físicos. Os sintomas mais comuns são o prurido, as manchas na pele e a urticária. Algumas pessoas sofrem deste patologia apenas quando ingerem um alimento específico antes de praticarem atividades físicas.
Alergia ao sol - A alergia ao sol é uma reação do sistema imunitário à exposição da pele à luz solar. É também chamada de erupção cutânea fotoalérgica ou fotoalergia e fotodermatose. Estima-se que 5 a 10% das pessoas sofram desta patologia. Os sintomas incluem a formação de bolhas de cor vermelha na pele, que causam prurido. Pode dar-se ainda a formação de bolhas com um líquido transparente. A origem exata desta alergia ainda é pouco clara, mas os cientistas acreditam que a culpa esteja nos raios ultravioletas A (UVA) que penetram mais profundamente na pele do que os raios UVB.
Alergia às moedas - Chama-se dermatite de contacto. As moedas de um e dois euros podem desencadear alergias em algumas pessoas, devido à grande quantidade de níquel que libertam por ação do suor quando manuseadas, afirmam cientistas da universidade suíça de Zurique num estudo publicado na revista "Nature". As moedas podem provocar ardores, irritação e erupções cutâneas em indivíduos alérgicos ao níquel.
Alergia ao suor - A miliária apresenta-se sob a forma de erupção cutânea e está relacionada com as glândulas sudoríparas (que produzem o suor). Afeta principalmente as crianças, mas também pode atingir os adultos. Esta alergia surge sobretudo no tronco e na região cervical. As lesões geralmente são acompanhadas por coceira. Formam-se "bolinhas avermelhadas" ou vesículas (pequeninas bolhas), podendo, em alguns casos, formar lesões mais exuberantes
Alergia ao toque - A sensibilidade ao toque também se designa de dermografismo. É um distúrbio caracterizado pelo facto da pele inchar ou inflamar quando picada ou arranhada por um objeto. O dermografismo não tem cura, mas as crises da doença podem ser prevenidas ou controladas com remédios. Esta condição resulta da presença de mastócitos na superfície da pele. Estas células libertam histamina, substância responsável pela inflamação, sem que haja a presença de antigénios capazes de gerar uma resposta imune.
Alergia à água - A urticária aquagénica é uma forma muito rara de reação alérgica à água. Existem poucos casos descritos na literatura médica. Pensa-se que se deve à presença na pele de um antigene (substância que ativa o sistema imunitário) hidrossolúvel. Em contacto com a água, o antigene dissolve-se, atravessa a pele e provoca a libertação de histamina, que provoca o aparecimento de inchaço, ardor e outros sintomas alérgicos. As pessoas afetadas não suportam estar mais de um minuto no chuveiro ou na piscina: o corpo é invadido por uma dolorosa erupção cutânea que demora horas a desaparecer.
Alergia à roupa interior - Os principais sintomas são prurido e desconforto na zona púbica. A alergia a roupas íntimas é relativamente comum e pode trazer muito desconforto e constrangimento caso não seja controlada. Várias pessoas podem ser sensíveis aos produtos químicos usados para produzir os tecidos como lycra e nylon. A solução mais fácil é procurar tecidos naturais puros.
 
 

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Pequenas plantas testemunham que Lisboa ficou mais respirável nos últimos 30 anos

Teresa Serafim
Os biomonitores permitiram avaliar a qualidade do ar em Lisboa
"A qualidade do ar melhorou em Lisboa devido às regras ambientais e à preocupação ambiental que foi aumentando nestes últimos 30 anos”, afirma Palmira Carvalho, investigadora em líquenes, uma associação entre fungos e algas que muitas vezes são os responsáveis pela cor alaranjada dos telhados. Já os briófitos, também incluídos no estudo, são pequenas plantas que não têm um estrutura que transporte água e nutrientes, como os musgos.
 
De acordo com Palmira Carvalho, citada em comunicado, o local onde se verificou maior diversidade florística, sendo possível atribuir-lhe a designação de “pulmão” da cidade, foi Monsanto, seguido das áreas suburbanas da Península de Setúbal. A Avenida da Liberdade foi a zona onde se verificou o menor número de espécies. Ao todo, foram encontrados 163 líquenes e 48 briófitos na área metropolitana de Lisboa. Em comunicado de imprensa, é salientado que algumas espécies consideradas raras na região foram encontradas no centro da cidade.
 
A investigadora e coordenadora do estudo, Cecília Sérgio, afirma que esta é a prova que o metabolismo dos líquenes e briófitos podem contribuir para a avaliação da qualidade do ar. O estudo demonstra que os valores de gases poluentes, como o dióxido de enxofre, se alteraram e são muitas vezes inferiores ao regulamentado. A conclusão é que antes eram “valores altíssimos, no entanto agora são bastante mais baixos”, revela a investigadora.
 
Mas há outros motivos para esta diminuição. Há uns anos, o Seixal e o Barreiro tinham indústrias com um peso substancial na poluição do ar. “Neste momento todas as restrições e regulamentação ambiental modificaram a qualidade do ar para melhor ou bastante boa”, esclarece Cecilia Sérgio. Contudo, a investigadora aponta que também foram encontrados no local outro tipo de poluentes, como poeiras, que se instalaram em árvores e permitiram a permanência dos biomonitores. “Foram também detectadas muitas espécies que apareceram de novo, no entanto, isso nem sempre quer dizer que corresponde a muito boa qualidade do ar”, afirmou, salientando que estas alterações podem ocorrer pelo aumento de “compostos azotados ou outros factores ecológicos”.
 
Por isso, “será importante refazer este estudo com a mesma metodologia num futuro próximo para avaliar possíveis alterações”, alerta a Palmira Carvalho, destacando a emergência de se avaliar se novas políticas ambientais, como as relativas ao tráfego, foram eficazes ou não.
 
O estudo foi publicado na revista científica Ecological Indicators e financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). Os resultados foram recolhidos entre 1980-1981 e entre 2010-2011.
Texto editado por Ana Fernandes

Cientistas clonaram células estaminais embrionárias humanas com a técnica da Dolly


Remoção do núcleo de um ovócito antes da transferência do núcleo de uma célula adulta

Dolly nasceu há 20 anos, não há clones humanos e a tecnologia ajudou a conhecer doenças

Lusa
A ovelha Dolly em 2002
 

Pode existir vida numa das luas de Saturno. Mas não como a conhecemos

SAPOTEK
A existir vida extraterrestre, a Titan está agora entre o grupo dos maiores candidatos, uma das luas de Saturno que, “à primeira vista”, até é parecida com o planeta Terra.
 
Depois de Júpiter, é a vez de Saturno, outro “gigante gasoso”, ter uma das suas luas apontadas como possível detentora de vida. Mas em condições diferentes das oferecidas pelo planeta Terra.
 
A hipótese já tinha sido avançada no ano passado por uma equipa de investigadores da Cornell University e agora é reforçada com mais um estudo da mesma instituição de ensino, mas de outra equipa.
 
A teoria parte do facto de Titã ser o único “mundo” conhecido além da Terra cuja superfície é formada por lagos, rios e chuva. A (grande) diferença é que não estamos a falar de água, mas sim de metano.
As acentuadas “parecenças” com a Terra levaram os investigadores a colocarem a hipótese de poder existir uma forma de vida que não se baseie nas condições em que estamos habituados a vê-la emergir, neste caso adaptada ao (muito) frio – pois estão em causa temperaturas de perto de -180 graus Celsius – e sem necessitar de água.
 
Contudo, “para que aconteça algo em Titã, é preciso fazer química a baixa temperatura”, sublinha Martin Rahm, que coordenou os trabalhos. Ou seja, a “equação” da vida continua a precisar de algumas condições básicas e aquilo que indica o novo estudo, agora publicado na Proceedings of the National Academies of Sciences, é que elas existem em Titã.
 
A partir de dados recolhidos através da missão Cassini-Huygens da NASA, e com recurso a uma simulação informática, a equipa de investigadores defende que a maior lua de Saturno pode muito bem conter vida, já que tem quantidades significativas de cianeto de hidrogénio – uma possível "chave química pré-biótica" produzida quando a luz do sol atinge a atmosfera tóxica da Titã feita de nitrogénio e metano.
 
Isto é porque o cianeto de hidrogénio é um produto químico orgânico, que consegue reagir consigo próprio e com outras moléculas de modo a formar polímeros, nomeadamente um denominado de poliimina, explica-se. Uma vez que este polímero é flexível, pode absorver a energia do sol e tornar-se num possível catalisador para a vida.

Epigenética

Revista Prevenir // Saúde e Medicina
Saiba o que está para além dos genes
 
Ao contrário do que durante muito tempo se pensou, os genes não têm o controlo exclusivo da nossa identidade. Hoje, acredita-se que outros factores, designadamente ambientais, podem alterar a nossa expressão genética. Mas como?
 
Podem o desporto e uma alimentação equilibrada, ou até as técnicas anti-stress (yoga, meditação) praticados pelos pais vir a traduzir-se num bem-estar que é herdado pelos filhos? E se assim for, até que geração?
 
Estas e outras perguntas, que ainda permanecem por esclarecer cabalmente, constituem um dos maiores desafios da Epigenética humana para os próximos tempos. Um mundo novo e curioso à sua espera neste artigo.
 
Durante vários anos, as investigações científicas debruçaram-se essencialmente sobre o ADN (código genético). Os cientistas já conhecem há alguns anos os processos epigenéticos «mas nem sempre os valorizaram», explica Lars Jansen, investigador do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC). Só de há 15 anos para cá é que as investigações em mecanismos de Epigenética a nível molecular foram iniciadas, estando actualmente mais em voga.
 
No fundo, para além dos genes que são constituídos por sequências de ADN, «outra informação epigenética é propagada durante a divisão celular. Isto permite manter a identidade de determinada célula», explica Lars Jansen. Embora todas as células do organismo humano possuam os mesmos genes, as suas identidades são diferentes. «Uma célula do intestino e uma célula da pele são diferentes não por terem genes diferentes, mas devido ao facto de os genes que estão ligados e desligados não serem os mesmos», salienta João Ferreira, investigador do Instituto de Medicina Molecular, em Lisboa.
 
Estas duas células são comparáveis a duas gambiarras de luz idênticas, «ambas com lâmpadas vermelhas e verdes, só que na célula do intestino estariam acesas apenas as lâmpadas vermelhas e na da pele apenas as verdes (e apagadas as vermelhas)». Nesta analogia, as luzes são os genes, e estarem acesos significa estarem activos, isto é, «estarem a ser lidos pelas células, a transmitir as suas mensagens e a exercer as suas funções», adianta João Ferreira.

ADN da mãe influencia peso na idade adulta e envelhecimento saudável

7 Julho 2016 // Nuno Noronha // Notícias // SAPO com Lusa
O material genético transmitido exclusivamente pela mãe tem um papel importante no envelhecimento saudável e também na predisposição para a obesidade, segundo um estudo realizado por cientistas espanhóis.
 
“O metabolismo e o envelhecimento são determinados pela interação entre dois genomas, o genoma nuclear e o genoma mitocondrial”, explicou Jose Antonio Enriquez, que dirigiu o estudo publicado hoje na revista cientifica Nature.
 
O genoma humano tem cerca de 23.000 genes, sendo que a maioria se encontra no núcleo da célula e que apenas 37 desses genes se encontram nas mitocôndrias, pequenas estruturas que envolvem o núcleo e que desempenham um papel essencial no metabolismo energético da célula.
 
O ADN mitocondrial é herdado unicamente da mãe, pois as mitocôndrias do esperma são destruídas durante a fertilização.
 
Os cientistas espanhóis trabalharam com duas linhagens de ratos que tinham o mesmo ADN nuclear, mas não o mesmo ADN mitocondrial. Todos os animais viveram no mesmo ambiente e foram alimentados da mesma maneira.
 
Enquanto não foram encontradas diferenças nos ratos mais jovens, aqueles que receberam as mitocôndrias "externas" desenvolveram posteriormente menos sinais de envelhecimento e menos obesidade do que aqueles que mantiveram o ADN mitocondrial de origem.
 
De acordo com Ana Latorre-Pellicer, cientista que participou no estudo, as alterações no ADN mitocondrial causaram "uma adaptação celular em animais jovens, o que permitiu um processo de envelhecimento saudável."
 
"Não vejo porque é que os resultados seriam diferentes em seres humanos", afirmou Enriquez, sublinhando a necessidade de se fazerem mais estudos para confirmar os resultados.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Sustendo a respiração, a sonda Juno chega segunda-feira a Júpiter


 
Ilustração científica da sonda Juno em Júpiter
 
Grande Mancha Vermelha, uma das marcas distintivas de Júpiter
 
Mais recentemente, em 1994, vários telescópios registaram em tempo real a queda de 21 pedaços do cometa Shoemaker-Levy 9 na superfície de Júpiter, alguns com dois quilómetros de diâmetro. O fenómeno tirou as últimas ilusões sobre a possibilidade de um enorme corpo extraterrestre embater na Terra, como terá acontecido há 65 milhões de anos, no cataclismo que ajudou a pôr termo à era dos dinossauros. Se aqueles corpos colidiram contra Júpiter, como negar que outros grandes objectos poderão estar um dia na rota da Terra?
 
Esta segunda-feira, quando a sonda Juno for capturada pela gravidade de Júpiter, a NASA vai dar continuação a esta tradição de se usar aquele gigante como um enorme espelho, onde se encontram reflectidas algumas características do sistema solar e da sua história. Ao contrário da Terra, a massa de Júpiter permitiu reter a sua composição original, quando o planeta se formou. Por isso, ao analisar a composição da atmosfera de Júpiter, a NASA espera que a sonda dê informações sobre o início do sistema solar e sobre como os planetas se formaram.
 
Deste modo, a Juno permitirá olhar lá para fora para compreendermos o nosso mundo, o nosso passado. Antes disso, contudo, terá de sobreviver ao momento vertiginoso de ser agarrada pela gravidade de Júpiter, o instante mais perigoso da missão, segundo dizem os cientistas da NASA. Se correr mal, esse momento poderá deitar a perder cinco anos de viagem espacial, 990 milhões de euros do custo da missão e, claro, tudo o que poderíamos aprender com Júpiter. Mas hoje ainda não é a altura exacta de suster a respiração.
 
“Demos por encerrado cinco anos de uma viagem espacial e temos apenas dez dias pela frente até à inserção na órbita de Júpiter”, dizia na semana passada Rick Nybakken, um dos responsáveis pela missão da Juno no Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA, que fica em Pasadena, na Califórnia. As palavras antecipam o nervosismo crescente com a aproximação do 4 de Julho – o Dia da Independência dos Estados Unidos, que este ano terá um sabor especial para os norte-americanos com a chegada da sonda ao planeta. “É uma grande sensação pôr todo o espaço interplanetário no espelho retrovisor e ter o maior planeta do sistema solar no nosso pára-brisas.”

Como fabricar planetas

Dizer que Júpiter é o maior planeta do sistema solar não chega para compreender a sua dimensão. Júpiter é enorme: é três vezes maior do que Saturno, tem 11 vezes o diâmetro da Terra (12.756 quilómetros) e 122 vezes a sua área superficial. Só a Grande Mancha Vermelha, uma tempestade atmosférica épica de cores vermelhas que existe no Hemisfério Sul, bem visível nas fotografias do telescópio espacial Hubble e que os astrónomos andam a monitorizar pelo menos desde o século XIX, tem agora cerca de 16.000 quilómetros de diâmetro. A Terra caberia lá dentro, sem problemas.
 
A massa de Júpiter é superior à massa de todos os outros corpos do sistema solar, excluindo o Sol. À noite, o seu brilho só é ultrapassado por Vénus, pela Lua e, às vezes, por Marte.
 
Apesar de os telescópios terrestres terem dado a conhecer a muitos astrónomos as cores do planeta, foram as fotografias da sonda da NASA Pioneer 10, o primeiro que atravessou a cintura de asteróides, situada entre Marte e Júpiter, e fotografou de perto o gigante a 4 de Dezembro de 1973, que permitiram olhar com mais proximidade para a atmosfera joviana. As icónicas bandas brancas e castanho-claras, que hoje associamos imediatamente ao gigante, revelam nuvens de várias composições químicas que estão a diferentes altitudes. Os cientistas pensam que as brancas, por exemplo, são formadas por cristais de amónia, e estão a uma temperatura de 150 graus Celsius negativos.
 
Júpiter é o primeiro dos planetas gasosos do sistema solar, e é composto maioritariamente por hidrogénio e hélio, tal como as estrelas. Por isso, a sua densidade é muito menor do que a dos planetas rochosos, como a Terra, Vénus e Marte.
 
“Um dos objectivos principais da Juno é aprender qual a receita para se fazer um sistema solar”, diz Scott Bolton, o investigador principal da missão, no Instituto de Investigação do Sudoeste, em San Antonio, Texas, citado pelo jornal norte-americano The New York Times. “Como é que se faz um sistema solar? Como é que se fabricam os planetas que temos no nosso sistema solar?”, questiona.
 
Há elementos mais pesados em Júpiter, como o lítio, o carbono e o azoto. Apesar destes elementos estarem em quantidades pequenas quando comparados com o hidrogénio e o hélio, a sua proporção é muito maior do que a proporção destes elementos no Sol, explica o cientista. Compreender esta variação pode ser a chave para compreender o sistema solar. “Não sabemos exactamente como é que isto aconteceu. Mas sabemos que este facto é realmente importante. E a razão para isto ser importante é porque os elementos que existem a mais em Júpiter [em relação ao Sol] são os mesmos elementos que compõem aquilo de que nós somos feitos. É destes elementos que a Terra é feita. É daqui que a vida surge.”
 
O interior de Júpiter é outro mistério. Devido ao seu tamanho e à pressão, estima-se que haja um enorme oceano líquido de hidrogénio no interior do planeta capaz de conduzir a electricidade e criar um enorme campo magnético à sua volta. E ninguém sabe qual é a constituição do núcleo do planeta, ou se ele existe mesmo. Um dos objectivos dos cientistas da NASA é determinar a existência e a composição do núcleo. Essa informação permitirá identificar a teoria certa sobre o nascimento de Júpiter: se foi formado a partir de uma parte instável da nuvem de poeiras e gases do nosso sistema solar, que entrou em colapso; ou se houve primeiro a formação de um núcleo planetário maciço que, depois, atraiu todo o gás que estava à volta.

Um ano de ciência

Depois da Pioneer 10, Júpiter foi visitado pela Pioneer 11, em 1974, pelas duas sondas Voyager, em 1979, a sonda Ulisses, em 1992, a sonda Galileu, que chegou ao planeta em 1995 e até 2003 esteve a estudar o gigante e as suas luas, a Cassini-Huygens, em 2000, e, mais recentemente, a New Horizons, que fez um voo de três meses junto de Júpiter, em 2007, antes de seguir para Plutão. Por isso, depois da Galileu, a Juno é o segundo aparelho exclusivamente destinado a perscrutar este gigante.
 
A sonda partiu da Terra a 5 de Junho de 2011, fez um movimento circular que ultrapassou a órbita de Marte, voltou até à Terra e aproveitou o impulso dado pela sua gravidade para finalmente viajar até Júpiter, percorrendo nestes quatro anos e 11 meses 2800 milhões de quilómetros. Esta segunda-feira, a sonda será capturada pela gravidade de Júpiter e, fazendo um ajuste à rota, irá lançar-se para realizar algumas órbitas até iniciar, a 9 de Novembro, 33 órbitas científicas cuja trajectória foi traçada para evitar a potente magnetosfera de Júpiter, 20.000 vezes mais forte do que a da Terra.
 
Além de provocar nos pólos de Júpiter as maiores auroras boreais do sistema solar, a magnetosfera carrega as partículas existentes à volta do planeta, sendo assim capazes de destruir os componentes eléctricos da sonda. Para evitar estes danos, os cientistas puseram os circuitos da Juno dentro de um cofre de titânio de 1,7 centímetros de espessura, impedindo muitas partículas de atingirem o equipamento. Mas o cofre não chega.
 
“Para muitos dos instrumentos fazerem o seu trabalho, a nave tem de se aproximar mais de Júpiter do que nas missões anteriores. Para evitar os níveis de radiação mais fortes que existem à volta de Júpiter, os responsáveis pela missão projectaram órbitas muito alongadas para a sonda se aproximar do gigante de gás pelo Norte”, lê-se num documento da NASA sobre a missão. Nesses trajectos, a sonda irá ficar muito perto de Júpiter, a uma distância mínima de 4200 quilómetros. Depois, circulará junto ao planeta de Norte para Sul e de seguida afastar-se-á iniciando mais uma órbita alongada para evitar ao máximo a radiação.
 
Cada uma das 33 órbitas demorará 11 dias. Durante esse tempo, os nove instrumentos da Juno estarão de olhos abertos. A sonda tem uma câmara a cores para uso do público em geral, que poderá escolher que partes do planeta a fotografar, e mais oito instrumentos científicos. Entre os quais, estão dois transmissores que vão trocar sinais com a Terra, para analisar a influência gravítica de Júpiter, e inferir a sua estrutura interna; um magnetómetro para criar um mapa tridimensional da magnetosfera do planeta; um radiómetro que vai analisar microondas emitidas pelo gigante para detectar a composição das nuvens de Júpiter; e um detector de partículas para analisar como é que elas interagem com a magnetosfera de Júpiter.
 
Se tudo correr bem, a missão científica durará um ano. O suficiente para as 33 órbitas permitirem aos aparelhos analisarem toda a superfície de Júpiter. Quando houver novidades sobre as descobertas de Juno, é provável que já nos tenhamos despedido da sonda. Apesar de todos os cuidados dos cientistas, a radiação que a Juno vai receber acabará por danificar o seu interior ao fim desse ano.
 
Por isso, o último acto do aparelho será um mergulho na atmosfera daquele planeta. Para uma sonda que foi baptizada com o nome da deusa que, na tradição romana, foi a mulher de Júpiter e era capaz de ver através das nuvens, este desfecho não deixa de ser simbólico. Mas é aqui na Terra que vamos poder dar um sentido a tudo o que ela viu, e construir mais um pouco da nossa história planetária aos ombros de um gigante chamado Júpiter.